“Oji, por quê..?” – Conversas de Obon

Ontem, dia 15 de julho, foi o último dia do Obon. Nessa data, nossos antepassados vêm nos visitar, ficando 3 dias entre nós. Acendemos senkō e colocamos comida no butsudan.

Obon - comida no butsudan

Obon – comida no butsudan

Eu não pretendia escrever sobre o Obon, porque não consegui estudar muito sobre o tema. Mas, em 2 anos vivendo em Okinawa (o que significa 2 Obon passados lá), reparei em muitas coisas que nunca tinha percebido se fazia ou não na minha própria casa. E nesses dias fiquei comparando tudo e enchendo meus ojis e obas com um monte de perguntas. Então, aqui vai um relato bem pessoal (e resumido) de algumas dessas comparações.

1. Em Okinawa, o Obon é celebrado no dia 15 de julho do “kyūreki”, o calendário lunar (que em 2015 corresponde ao dia 28 de agosto do nosso calendário, o gregoriano). No Brasil, a maioria das famílias faz o Obon no dia 15 de julho. Por quê a diferença?

Quando perguntei pro meu oji, ele disse que no Brasil seria mais difícil definir o 15 de julho do calendário lunar, pois nele as datas variam todo ano em relação ao gregoriano. Depois ele complementou dizendo que na Era Meiji o governo japonês já havia feito uma tentativa de impor o calendário gregoriano, mas acabou não dando certo com os okinawanos. Mas ao chegarem aqui os imigrantes adotaram o calendário gregoriano. Porém, o ponto negativo é que certas características dos eventos muitas vezes não coincidem com o calendário gregoriano. Por exemplo, no Obon do calendário lunar a lua é cheia, e no gregoriano, não necessariamente (depende do ano, mas é difícil coincidir).

2. Os 3 dias do Obon são: Unkē (dia 13), Nakanuhī (dia 14) e Ūkui (dia 15). No Unkē os antepassados chegam, e começamos a colocar a comida no butsudan. Em Okinawa, vi que é o dia de comer jūshī (arroz temperado, com algas, vegetais e carne de porco). O Nakanuhī é o dia de comer nakami jiru, sopa de tripa de porco. Minha família não conhecia o costume de comer jūshī e o nakami jiru no Obon. Nesses dias, colocamos comida no butsudan mas não seguimos nenhuma regra.

Unkē – dia de jūshī (foto de 2013)

Nakami jiru - sopa de tripa de porco

Nakami jiru – sopa de tripa de porco

Nesse Obon eu conversei bastante com meu oji sobre as várias diferenças que eu percebi, e ele me falou alguns motivos. Primeiro, queria salientar que ele é muito tranquilão – bem no estilo “nankuru naisā”. De acordo com ele, as coisas aqui no Brasil são diferentes, nós fazemos o que é possível. E ele faz desse jeito com a consciência tranquila porque ele combinou tudo com a minha bisavó antes dela falecer, em 2005. Ela nunca veio ao Brasil, mas foi acertado que, depois que ela falecesse, as cinzas, o butsudan, tudo, viria para o Brasil. Então, ela já sabia que a comida dela teria um gostinho brasileiro. Ele sempre fala desse acordo com um sorrisinho.

Mas talvez, acredito que meus avós não conheçam alguns dos costumes que atualmente são seguidos em Okinawa por terem vivido numa época diferente. Meu oji contou que às vezes não tinha nem arroz pra colocar no butsudan. Em vez disso, um dia meu bisavô colocou sal, e chorou, rezando e pedindo desculpas aos antepassados por não ter nada melhor pra oferecer. Se às vezes eles não tinham nem arroz, imagino a dificuldade em adquirir outras coisas para colocar no butsudan.

Outro motivo é para não deixar tudo muito complicado. Okinawa tem muitas e muitas datas em que temos que acender senkō. Mas aqui em casa foi decidido que só o faríamos no Ano novo, Obon, e os 2 Higan (equinócios), além dos dias 1 e 15 todos os meses. E iríamos ao cemitério no Dia de Finados, no dia 2 de novembro (e não em abril, como em Okinawa). Pelo que entendi, ele teme que se tivermos muitas obrigações, o butsudan acabe se tornando um fardo, e assim poderíamos largá-lo, como muitas famílias aqui no Brasil já fizeram.

Meu oji tirou muitas das minhas dúvidas e me deixou bastante tranquila em relação ao modo como fazemos as coisas na nossa família. Porém, o Obon me fez sentir saudades de Okinawa, pela primeira vez. Lá, o Obon é um evento importantíssimo, está em todo lugar – no mercado, na televisão, nas conversas. Aqueles que moram fora de Okinawa retornam à casa de sua família para saudar os antepassados e encontrar os parentes. À noite, os grupos saem para o chamado michijunē, dançando e passando pelas ruas do bairro. É bem diferente.

IMG_4643

Michijunē em Okinawa-shi – Sonda Seinenkai (2014)

Na verdade, creio que as práticas em relação ao butsudan variam conforme a família não só no Brasil mas também em Okinawa. Entre todos os uchinanchus do mundo, quanta variedade de práticas deve existir, não é mesmo? E quantas histórias interessantes se escondem na trajetória dessas famílias que imigraram e trouxeram seus antepassados consigo? E você, como foi seu Obon? Conte pra gente!

Foto:

Nakami jiru: https://www.pinterest.com/pin/102738435223823521/

Anúncios

5 comentários sobre ““Oji, por quê..?” – Conversas de Obon

  1. Amei !!!! Eu também tenho muitas dúvidas apesar de meu pai ter explicado muito. Mas como não sei falar a língua okinawa. Eu entendia por cima. E não muito bem. Agora ele está no céu. Mas sempre acreditei que existe vida além do que estamos vendo com nossos olhos. Acredito que a vida é eterna. E pertence a deus. E através de nossos antepassados estamos aqui. Agradeço profundamente aos antepassados. E admirava muito a união dos utinantius. Meu pai falava que todos nós utinantius somos irmãos e deve ser bem recebidos na nossa residência e nas nossas vidas. Ter muito voto de confiança . Pois era uma irmandade. Não sei o que pensam jovens de hoje. Mas acredito que a força dos antepassados une todos nós.

    Curtir

  2. Nao sou descendente de okinawa,mas casei com um,e como nihonjin diz a filha qdo casa passa a ser da familia do marido,tive que aprender muitos costumes,que meu pai mesmo sendo nihonjin nunca impoz pra nos, mas okinawa jin ainda mantem muitos costumes, casei e fui morar com meus sogros, que ja tinham o BUTSUDAN em casa do odi do meu marido, e minha sogra sempre fez questao de me levar em todas as missas e qdo ela veio a falecer,mesmo meu marido nao sendo o Tyonam da casa, o Butsudan continua na minha casa,e fiz questao de fazer e continuo a fazer tds as missas e ate procurei apremder td ou quase td sobre os costumes, agradeço a minha sogra e tbm a esse costume pois meus filhos tbm agradecem e levam esse costume,e assim continuaremos de geracao para geracao, agora de volta ao nihon,pretendemos conhecer Okinawa,nosso sonho

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s